Menu



Cineclube Tela Preta - até 

14 ABR 2018
14 de Abril de 2018
Cineclube Tela Preta promove sessões gratuitas de cinema negro

Como eu me vejo NAS TELAS? Onde você se vê? O que você quer ver? São perguntas que norteiam a essência do CineClube Tela Preta, um projeto que inicia 28 de março no Centro Cultural Plataforma, espaço administrado pela SecultBA, localizado no Subúrbio Ferroviário de Salvador. Com sessões às 15h e 18h, o projeto visa promover a reflexão do processo criativo do cinema negro e a circulação das obras produzidas por sujeitos afrodescendentes. 


O cineclube conta a exibição de dez sessões durante o período de março a maio, havendo exibições seguidas de debate com participação dos cineastas, possibilitando um olhar para as obras sob outra perspectiva: a de quem produz e para quem é produzido, abrindo o diálogo do processo criativo e do saber cinematográfico das obras, bem como as narrativas e as questões que elas suscitam perante a sociedade.


TELA PRETA – O projeto é mais uma idealização do Coletivo de Cinema Negro Tela Preta, uma organização que pauta a representatividade negra no campo do cinema e audiovisual, aprovado pelo Edital Setorial de Audiovisual - Desenvolvimento e Difusão do Fundo de Cultura, da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, e produzido pela Rebento Filmes, uma produtora de mulheres negras. “Pensar cinema negro é literalmente romper a fronteira entre o sujeito que filma e quem é filmado”, reitera a cineasta Larissa Fulana de Tal, que ressalta a importância de refletirmos as relações cotidianas sobre o efeito do que passa nas telas e como esse olhar crítico está sendo construído. “A relação em como os outros nos vêem já sabemos, está no cinema, na tv, na propaganda, na rua. É estereótipo, e esta é uma palavra que reduz e sintetiza muito como os outros nos vêem, mas como a gente se vê? É uma pergunta que impulsiona, pois possibilita novas narrativas, novos olhares, uma nova estética, novas linguagens direcionadas a este espelho da auto representação”, destaca.


Rodas de Conversas - Os encontros contarão com quatro rodas de conversa: "Fotografia Negra” que refletirá sobre fotografia em pele negra; “Políticas Afirmativas”, que falará das políticas públicas no campo do cinema; “Circulou”, discorrendo sobre a criação de espaços circulação dos filmes; e por fim, "Cineclubismo”, mesa especial que homenageará o cineclubista baiano, Luís Orlando.


Sessões – As exibições serão gratuitas e sempre haverá debate com as/os realizadoras/os. A abertura contará com o longa Maestrina da Favela (2017), direção da norte americana Falani Spivey, e a presença da equipe, tais como Iris Oliveira, Urânia Muzanzu e Rosana Chagas e da personagem, Elem Maestrina. No total, são mais de vinte filmes que serão exibidos. Mais informações na fanpage. 


Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. 



SERVIÇO:


CINECLUBE TELA PRETA

Dez sessões de cinema negro com debate e rodas de conversa

Quando: De 28 de Março a 11 de Maio – sessões às 15h e 18h

Onde: Centro Cultural Plataforma

Gratuito

Foto: Beatriz Dias


Voltar

Parceiros:

Tenha você também a sua rádio